Composteiras para toda Ibitinga

25/04/2019

As composteiras implementadas no percurso de Gestão de Resíduos Sólidos no Geração+ ultrapassaram as salas de aula e estão trazendo grandes mudanças na realidade dos moradores do município de Ibitinga! Educadoras da Pastoral da Criança e famílias atendidas estão tendo a oportunidade de entender como se mantém e como funciona uma composteira doméstica – e a inspiração foram as composteiras da EMEF Professora Francisca Simões.

Tudo começou quando coordenadores da Pastoral da Criança de Ibitinga escutaram a professora Ana Maria de Moraes falando na rádio Portal Ternura sobre os resultados positivos das composteiras. A organização resolveu então falar com a escola e convidar a professora para tocar uma oficina de construção de composteiras domésticas para a comunidade atendida pela Pastoral.

As reuniões, que acontecem desde o início do ano, envolveram os moradores da Vila Simões. A coordenadora da Secretaria Municipal de Agricultura e Meio Ambiente, Karine Paniquar, se juntou à iniciativa palestrando nos encontros. Ela fala sobre o destino do lixo produzido na cidade e a importância de se reduzir o lixo doméstico, mostrando às famílias que a composteira doméstica pode ajudar não só o meio ambiente por meio do reaproveitamento de resíduos orgânicos, como também dentro de casa, melhorando a alimentação da família quando o adubo é usado na horta.

Depois, a professora Aninha apresenta as composteiras de balde, que funcionam com e sem a ação das minhocas, para as famílias. Quatro delas se interessaram e receberam composteiras em parceria com a Secretaria Municipal de Agricultura e Meio Ambiente para que já começassem a produção de adubo muito nutritivo. “A gente levou a composteira já na hora da reunião, mostramos que pode se fazer com balde, assim não tem que pagar por nada. A ideia é trabalhar com o que a gente já tem e não precisar gastar a mais, né?”, conta a professora.

 

O próximo passo é que as famílias recebam mudas doadas pela Secretaria para poderem utilizar o adubo produzido. As próximas famílias a participar das oficinas e reuniões serão as da Vila dos Bancários, onde também serão distribuídas composteiras.

“O que estamos tentando mostrar é que devemos diminuir a quantidade de coisas que jogamos fora e aprender a ter mais consciência com o lixo. Poder plantar em hortas na sua própria casa, usando o adubo das composteiras, para que depois você tenha na alimentação da sua família coisas que você sabe de onde vem e que não têm nenhum tipo de agrotóxicos”, explica Aninha. “Além de, é claro, motivar as crianças. Eles adoram!”

 

Ouça abaixo a entrevista da professora Aninha que levou a Pastoral a buscar a escola e implementar o projeto das composteiras domésticas:

(saiba mais sobre o projeto Geração+ até o minuto 2:04)

 

 

Leave a reply

Deixe um comentário

Seja o primeiro a comentar!

  Inscreva-se  
Notificar de

Leave Your Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *