Muito além das minhocas

20/09/2018

As composteiras das escolas do Geração+ continuam causando mudanças muito legais nas escolas participantes do projeto. Tem aluna levando a ideia da compostagem para casa, envolvendo a família toda no aproveitamento dos resíduos orgânicos. Tem turma fazendo experiência com minhocas, comparando o comportamento delas na composteira e no solo. E tem escola implementando de verdade gestão de resíduos sólidos, destinando boa parte do que é produzido no dia a dia para a composteira. Dá só uma olhada!

 

EMEB Doutor Cândido Lobo | Caconde
A composteira da EMEB Cândido Lobo está a pleno vapor faz tempo. Tanto que o viveiro e a horta que a escola está construindo como parte do percurso Fauna e Flora estão recebendo chorume e húmus produzidos por meio dela. As crianças têm participado ativamente de todo esse processo. O resultado é que tem gente se inspirando no que aprende na aula para mudar os hábitos da família. A aluna Eloá, do 4º ano, é um exemplo. Ela decidiu fazer uma composteira caseira, utilizando potes de sorvete, para reduzir o lixo de sua casa. O modelo foi compartilhado com os colegas, que ficaram muito empolgados. E não é só isso: a mãe de Eloá visitou a EMEB Cândido Lobo para conversar com as professoras e sanar uma dúvida. Ela queria saber o que a escola havia feito para que sua filha passasse a comer mais frutas e verduras. Isso também é resultado das composteiras: entender como funciona a produção de lixo e o desperdício fez com que a aluna repensasse seus hábitos alimentares, passando a comer frutas diariamente. Por essa a gente não esperava!

WhatsApp Image 2018-06-15 at 11.25.10

Os alunos Eloá e Gustavo, do 4º ano

WhatsApp Image 2018-06-15 at 11.25.12 (1)

Os alunos Eloá e Gustavo, do 4º ano

WhatsApp Image 2018-06-15 at 11.25.12 (2)

Os alunos Eloá e Gustavo, do 4º ano

WhatsApp Image 2018-06-15 at 11.25.11 (1)
WhatsApp Image 2018-06-15 at 11.25.13

Os alunos Eloá e Gustavo, do 4º ano

WhatsApp Image 2018-06-15 at 11.25.11

 

EMEF Professora Maria Lúcia Geretto Caldas | Ibitinga
A professora Eliane Bispo dos Santos Fávero resolveu fazer um experimento com seus aluninhos do 2º ano. A ideia era descobrir as diferenças (cor, tamanho, quantidade) entre as minhocas da composteira do Geração+ e as minhocas que vivem no solo. Para isso, a turma separou um espaço no chão da escola e criou uma espécie de composteira no solo. Nesse espaço, elas colocaram um punhado de minhocas e, uma vez por semana, alimentavam as “lindinhas” (esse é o nome que as crianças batizaram as minhocas!) com matéria orgânica. A experiência ainda está em andamento, mas algumas descobertas já foram feitas – por exemplo, que as minhocas da compostagem no solo se desenvolvem mais rápido que as da composteira do Geração+. Interessante, não é mesmo? O espaço feito pelas crianças também está sendo aproveitado como horta. O maracujá que foi plantado lá está brotando – a previsão é que no primeiro semestre de 2019 já dê para tomar suco feito com as frutas!

 

WhatsApp Image 2018-09-01 at 21.33.55
WhatsApp Image 2018-09-01 at 21.33.52 (1)
WhatsApp Image 2018-09-01 at 21.33.56 (1)
WhatsApp Image 2018-09-01 at 21.33.52
WhatsApp Image 2018-09-01 at 21.33.51
WhatsApp Image 2018-09-01 at 21.33.53
WhatsApp Image 2018-09-01 at 21.33.54
WhatsApp Image 2018-09-01 at 21.33.54 (1)
WhatsApp Image 2018-09-01 at 21.33.56
WhatsApp-Image-2018-09-01-at-21.33.55-1
WhatsApp Image 2018-05-24 at 17.00.36
WhatsApp Image 2018-05-24 at 17.00.25
WhatsApp Image 2018-05-24 at 17.00.35
WhatsApp Image 2018-06-13 at 20.44.38

 

EMEF Professora Francisca Simões | Ibitinga
A EMEF Professora Francisca Simões agora conta com um processo estabelecido de gestão de resíduos sólidos. A professora Ana Maria de Moraes contou como funciona: cada turma é responsável por separar os materiais orgânicos dos recicláveis – sendo que entre os recicláveis há muito papel e embalagens. Parte dos papéis é destinada à composteira, para ajudar a equilibrar a umidade. O resto dos recicláveis é entregue a um coletor da cidade, o seu Manoel. Como ele não mora perto da escola, é Roberto, marido da vice-diretora Silvia Tereza Lamino Carvalho, quem apanha os materiais na escola e os leva periodicamente até ele. Uma colaboração pra lá de importante! Para completar, a escola tem coletado pilhas e óleo junto à comunidade, com o objetivo de dar um destino correto a esse tipo de resíduo.

WhatsApp Image 2018-09-06 at 12.25.58
WhatsApp Image 2018-09-06 at 12.25.56
WhatsApp Image 2018-09-20 at 11.48.43
WhatsApp Image 2018-09-06 at 12.25.58 (1)
WhatsApp Image 2018-09-06 at 12.25.57
WhatsApp Image 2018-08-22 at 12.13.03 (1)
WhatsApp Image 2018-08-22 at 12.13.04
WhatsApp Image 2018-08-22 at 12.13.03
WhatsApp Image 2018-08-22 at 12.13.59 (1)
WhatsApp Image 2018-08-22 at 12.13.59
Coleta pilha

 

 

Leave a reply

Deixe um comentário

2 comentários

  Inscreva-se  
Mais recentes Mais antigos Mais votados
Notificar de
Ana Maria de Moraes Oliveira

A cada nova ação que apresentam fico mais encantada ao ver “nossas” crianças aprendendo e saber que serão adultos conscientes de que podem fazer o melhor pelo planeta.
Parabéns a todos!!!!

Escola
EMEF "Profa.. Francisca Simões"

Leave Your Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *